23 de setembro de 2016

Menos dois milhões no passivo

Vitória SC
Em dia de comemorar o 94.º aniversário, Júlio Mendes centrou as atenções nos adeptos e na forma especial como eles sentem o clube, adivinhando um futuro mais risonho para o Vitória.

Sem dúvidas quanto à entrega, identificação e empatia dos adeptos em relação ao Vitória, o presidente Júlio Mendes aproveitou as comemorações do 94.º aniversário do clube para elogiar a postura dos vitorianos e vimaranenses, prevendo ainda um futuro risonho. “A nossa estratégia é apostar no carácter e na génese das gentes de Guimarães –é a força que nos tem mantido e que nos trouxe até aqui. Tudo o resto são desmultiplicações de estratégias e táticas que não têm grande relevância”, argumentou Júlio Mendes.

Detetando “diferenças abissais” em termos de aposta financeira entre o Vitória e outros clubes, “com barreiras impossíveis de serem transpostas”, o presidente contrapõe com a força dos adeptos para equilibrar a balança. “O Vitória é um clube de expressão local, regional, mas com eco internacional. Pelo mundo fora, encontro sempre vitorianos, encontro a bandeira do Vitória nos lugares mais recônditos. Temos essa amplitude, mas a nossa verdadeira força são as gentes locais, desta região, os que todos os dias e todos os fins de semana apoiam o clube, seja no D. Afonso Henriques ou nas modalidades. Não há dúvidas quanto à expressão territorial do Vitória, mas os ecos do clube vão mais além”, explicou, admitindo que “a estratégia é contar com os vitorianos”.

A forma de ser do adepto do Vitória, com “carácter, arreganho e reivindicação”, de acordo com Júlio Mendes, foi provada também com a adesão à campanha “Todos por uma paixão”, levada a cabo em 2012, quando os cofres do clube estavam vazios. Os adeptos que contribuíram financeiramente têm desde ontem o seu nome inscrito num mural no D. Afonso Henriques. “Apesar de terem dado um contributo pequeno, muitos deles fizeram-no com muito sacrifício. Do ponto de vista financeiro, [o contributo] não foi expressivo, mas a situação na altura era de tal forma grave que tudo era importante”, confirmou o presidente do Vitória.

Mesmo que o aumento de espectadores no estádio “tenha pouca expressão à escala daquilo que é o orçamento” do clube, Júlio Mendes pretende voltar a ver o recinto cheio. “A diferença entre uma época com bons e maus resultados desportivos representa uma variação de espectadores de dez por cento.”

Fonte: O Jogo