24 de junho de 2016

Vitória não está disposto a ultrapassar teto salarial por Rúben Ribeiro


Desejado por Marítimo, Nacional, Moreirense e Chaves, Rúben Ribeiro tem em mãos uma proposta para renovar pelo Boavista. Só tomará uma decisão dentro de uma semana.

As negociações entre Vitória e Rúben Ribeiro decorrem em lume brando. Muito apreciado pelo técnico Pedro Martins, o criativo português que perfumou o meiocampo do Boavista na segunda metade da época é a preferência dos minhotos para suceder ao brasileiro Otávio (de volta ao FC Porto) na posição 10, mas a primeira abordagem não surtiu o efeito desejado. Os salários propostos estão ainda aquém dos valores pretendidos, estando nesta altura a SAD vitoriana em pé de igualdade com Marítimo, Nacional, Moreirense e Chaves, clubes que também estão a tentar assegurar o jogador de 28 anos.

No Bessa, mantém-se de pé o convite para renovar contrato por mais duas épocas, em condições ligeiramente superiores às que Rúben Ribeiro teve nos últimos cinco meses, mas igualmente longínquas daquilo que o jogador considera ser justo. Na expectativa de auferir um salário considerável, ao nível dos que são praticados no Benfica, FC Porto e Sporting ou em clubes estrangeiros, o médio-ofensivo pediu tempo para responder ao Vitória e, ao que O JOGO apurou, só tomará uma decisão dentro de uma semana, já muito perto do arranque dos trabalhos da pré-época. Até lá é possível que a sociedade desportiva reformule a oferta inicial, embora sem ultrapassar o teto salarial definido para a equipa principal. A administração presidida por Júlio Mendes é intransigente no que toca ao rigor orçamental, pelo que Ribeiro não poderá ser contratado em circunstâncias excecionais.

De Espanha, o Vitória aguarda ansiosamente por boas notícias de Bernard, cuja incorporação no Atl. Madrid está totalmente fora de hipótese. Depois de uma época infeliz ao serviço do Getafe, por empréstimo, o médio ganês será novamente cedido e o Vitória já se candidatou a recebê-lo, sabendo de antemão que contará com a vontade do jogador e a influência do empresário Jorge Mendes na operação. Face à aposta falhada no Getafe, os colchoneros pretendem que Bernard seja utilizado com regularidade e, nesse sentido, os minhotos dão garantias.

In O Jogo